sexta-feira, abril 14, 2006

O Cantor

Introdução
Postura do Cantor
Uma boa postura é fundamental para uma boa produção vocal.

O que consiste ter boa postura?

Bem, cuidar da postura é fazer com que a sustentação e o equilíbrio do nosso corpo esteja de acordo com as leis da gravidade.

É importante observarmos que os desequilíbrios posturais variam de pessoa para pessoa. Algumas possuem um exagero postural, mantendo-se com os ombros extremamente abertos, o peito empinado para frente e a cabeça muito erguida, tencionando o pescoço. Se olharmos essas pessoas de lado possuem uma lordose nas costas como se fossem envergar para trás. Essas pessoas tendem a respirar mais na parte alta do pulmão.

Já outras pessoas possuem desequilíbrio inverso. Ombros muito caídos, peito fechado, como se fossem envergar para frente.

Ambas as posturas são incorretas.

A atitude normal do rosto deve ser sorridente. O sorriso, por um efeito reflexo, permite uma ampliação das cavidades de ressonância. Para isso pode ser útil fazer os vocalises diante de um espelho para observar e controlar as tensões desnecessárias.”

Atitude básica para o equilíbrio do corpo:

A atitude básica para o equilíbrio do corpo e, conseqüentemente, para a emissão da voz, é a seguinte:

  • Pés: Confortavelmente. O peso do corpo deverá estar igualmente distribuído pela borda externa dos pés pelo metatarso.
  • Músculos: Relaxados.
  • Cintura pélvica: Suspensa sobre o diafragma para manter a energia do som.
  • Cabeça: Ereta. Bem equilibrada na cintura escapular.
  • Cintura escapular: Deve permanecer descontraída.
  • Linha da cabeça: A cabeça deve manter uma linha de como se estivesse suspensa por um "fio de cabelo" na parte do redemoinho, isto é, no centro, como se fosse a continuação das vértebras cervicais.

Prof.Ronaldo Viana Introdução a postura do cantor na pratica do canto.

sexta-feira, março 31, 2006

Dicas Vocais



Sua Voz, Seu Instrumento


“A voz é o espelho da alma” é uma frase que nunca foi tão precisa como nos tempos massificantes atuais, nos quais a indústria da moda e o culto obsessivo ao corpo reduzem o ser humano à “mera” aparência.


Ela é o nosso meio de comunicação mais vivo e imediato.

Podemos “tocar” uma pessoa à distância com a nossa voz. Esse “toque” pode ser suave e delicado, firme, seguro, doce, áspero, agressivo, entre outras.

Várias são as classificações sensitivas que empregamos ao tentar descrever o efeito que uma voz nos causa.
Problemas de voz afetam a vida pessoal, social e, sobretudo, a profissional. Qualquer alteração pode ser motivo de ansiedade e angústia. A saúde vocal preventiva, de aperfeiçoamento ou de reabilitação, faz parte, hoje, de vários programas de capacitação de profissionais de ensino, rádio, vídeo, televisão e, mais recentemente, de telefone – os operadores de telemarketing.

Aqui vão algumas dicas práticas que todo profissional que usa a sua voz como instrumento de trabalho pode seguir:



  • Beba bastante água enquanto estiver falando, em temperatura ambiente, de preferência em pequenos goles, beba no mínimo oito copos ao dia;

  • Lembre-se que falar seguidamente durante muito tempo pode levar a uma fadiga muscular; alternar assim períodos de explanação com outros recursos;
  • Cuide para que sua articulação seja bem clara, abra bem a boca ao falar. Pratique em casa falar movimentando os lábios exageradamente;
  • Caso for necessário o uso do quadro negro, evite movimentos bruscos e de limpeza do apagador, um pano ligeiramente úmido pode resolver esse problema;
  • Fique atento para os ruídos ambientais, tais como os de ventilador, retroprojetor ou projetor de slides, ou mesmo das conversas paralelas. Procurar não competir com o ruído externo e usar microfone se necessário;
  • Enquanto estiver falando, manter a postura do corpo ereta, no eixo, porém relaxada, principalmente a cabeça;
  • Use da gesticulação de maneira natural e espontânea, evite movimentos repetitivos que dispersam a atenção dos ouvintes;
  • Mantenha contato visual com toda a platéia quando for falar em público, nunca fale olhando para trás.
  • Lembre-se de que essas dicas são preventivas. Caso você apresente rouquidão, soprosidade ou perda de voz há mais de duas semanas, procure um Fonoaudiólogo para uma avaliação e orientação.

sábado, fevereiro 18, 2006

Voz



Instrumento em Potencial

O cantor necessita aprender como usar a sua voz como um instrumento materializado, pois ele possui os órgãos fonatórios e a fonte de energia necessária, o sopro, para produzir o som.

Bem... a serviço da música, o sopro possibilita modular, enriquecer e sustentar as sonoridades vocais e torná-las mais expressivas.
Através da articulação e das múltiplas modificações do colorido vocal, a voz cantada tem excepcionais possibilidades e qualidades capazes de suscitar, aos que são sensíveis, todo um conjunto de sensações e emoções, assim como estados de ânimo coletivos.

Nenhum instrumento é comparável à voz, ela é a única que tem o privilégio de unir o texto à música. Mas, só emociona dependendo da sensibilidade e da musicalidade do intérprete. Pois, além das notas e palavras, existe algo invisível, impalpável, que é preciso adivinhar, sentir, expressar e que não está escrito.

Para o cantor, a voz também é uma atividade artística e intelectual da qual a inteligência participa, mas a primazia é dada à expressão e à emoção. A voz é, para ele, um canto interior e vibrante através da qual pode liberar pensamentos e sentimentos que não poderia expressar de outra forma.

É também verdade que o cantor expressará de modos diferente esse canto interiorizado e sentido, segundo sua concepção da obra a ser interpretada e das infinitas nuances da sua voz. Seu poder expressivo refletirá tanto seu temperamento como sua personalidade. A voz e a personalidade estão estreitamente relacionadas e são inseparáveis já que traduzem o ser humano na sua totalidade.

Entre o corpo e a voz existe uma íntima relação. É com eles que o cantor exterioriza sua afetividade e desempenha o papel intermediário entre o público e a obra musical. Mas, para isso é preciso que ele possua uma técnica precisa e impecável a fim de poder dominar as inúmeras dificuldades que vai encontrar. Será, principalmente, pelo domínio do sopro que ele poderá dominá-las e usar seus dons.

Vamos abordar a TÉCNICA VOCAL em toda a sua plenitude porque para o cantor este é o meio mais seguro para responder às exigências da música, da interpretação e para não trair as obras que ele deverá interpretar.



As Técnicas Vocais se resumem em: Dicção e Impostação

Dicção (pronúncia) é a maneira correta de articulação silábica das palavras.

Impostação é a emissão correta do som, incluindo uma coordenação simultânea dos processos respiratórios (inspiração e expiração).


Elevação do véu palatino e alargamento das cavidades de ressonância.

Outras vezes canta muito baixo, por conta de uma má adaptação respiratória. Por falta de sustentação, o sopro não resiste e é gasto rapidamente. As cordas vocais captam mal e as cavidades de ressonância não mantêm a postura. A voz é velada. Por todas estas razões, pode ser que o cantor não consiga sustentar um som sem desafinar.Em todo caso, o cantar desafinado causa sensações bem diferentes daquelas que são consideradas normais quando se canta certo.

O cantor deve poder reconhecê-las.

Ele precisa “sentir” se está desafinando, pois ele pode não ter consciência deste fato.

Ronaldo Viana - Professor de Técnica Vocal e Canto

sábado, janeiro 14, 2006


Aparelho Fonador

O ser humano não possui nenhum aparelho destinado exclusivamente à produção do som. Segundo PERELÒ(1975), a laringe aparece na escala animal quando é necessário proteger o aparelho respiratório contra a entrada de sólidos ou líquidos que pudessem causar asfixia.

A produção do som envolve vários orgãos que conjuntamente fazem, como resultado, soar nossa voz. São eles: aparelho respiratório, a laringe, as cavidades de ressonância e os articuladores.

Produção do Som

O ar inpirado passa pelas cordas vocais em posição aberta, enchendo os pulmões. Na expiração é que ocorre a fonação. O ar é aspirado pelos pulmões passa pelas cordas vocais em posição fechada .

As cavidades de ressonância têm um papel fundamental na produção do som, pois nelas é que ocorrem as modificações do som fundamental produzido na laringe. Comparando a um instrumento, poderíamos dizer que as cavidades de ressonância da voz funcionam como a caixa de um violão. Nada adiantaria vibrar-mos as cordas de um instrumento isoladamente, pois produziria um som "pobre".

Referências Bibliográficas:
Manual Prático de Técnica Vocal. Charlotte KAHLE. Porto Alegre, Livraria Sulina Editora.1966
Estética da Voz - Uma voz para o Ator. Eudósia Acuña Quinteiro.
Summus Editorial, São Paulo, 1989.
Fundamentos em Fonoaudiologia. Silvia M. Rebelo Pinho. Editora Guanabara Koogan. Rio de Janeiro 1998.
VOZ CANTADA - Evolução, Avaliação e Terapia Fonoaudiológica. Henrique Olival Costa e Marta Assumpção de Andrada e Silva. Editora LOUVISE LTDA, São Paulo, 1998.

quinta-feira, outubro 20, 2005

Exercícios básicos para iniciante no Canto Artístico

Dicas

3 exercícios básicos para iniciante no Canto Artístico

1)-Técnicas para os lábios

Esse exercício é feito com a vibração dos lábios. Para isso, deve-se levar os lábios à frente, elevando o diafragma, para que este sirva de apoio na execução do exercício. O resultado deste, lembra a pronúncia conjunta das letras BR e poderíamos compará-lo a uma imitação do ronco do motor de uma moto.

2)-Técnica da língua

Esta técnica é realizada com a vibração da língua, lembrando uma pronuncia exagerada da letra R. Para a execução desta técnica, também deve-se elevar o diafragma fazendo com que este proporcione um bom apoio. O som deste exercício nos faz lembrar uma hélice de helicóptero em movimento.Procure passear com estas técnicas por regiões graves e agudas de sua voz.

3)-Técnicas com a letra M

Este exercício é feito para que, em princípio, a pessoa sinta a vibração da letra M internamente e, sobretudo, sinta esta ressonância na região das bochechas (caixa de ressonância da voz).

O efeito deste M interno nada mais é do que a própria preparação bocal que fazemos normalmente para que possamos pronunciar palavras que comecem com esta letra, porém, esta preparação será agora prolongada.Para se produzir este M interno corretamente, deve-se cerrar os lábios e imaginar um espaço dentro da boca suficiente para caber uma bola de ping-pong. A ponta da língua deve estar em contato com os dentes frontais superiores e o som do exercício lembra a pronúncia do nº 1, porém prolongado e com a boca fechada.

É preciso tomar cuidado para que a vibração do som não se torne nasal, pois após um tempo de sustentação deste som, com o apoio da elevação do diafragma, a boca se abre lentamente na pronúncia da sílaba MO, prolongando-se o O.

Para uma boa execução deste exercício, sugiro um prolongamento de quatro tempos, marcados pausadamente, para a sustentação do M interno e mais quatro tempos para a sustentação da letra O.Este M interior, é muito utilizado na forma de "mantra" (sons utilizados no processo de meditação, que possuem significados importantes nas religiões orientais) e o ideal é que seja pronunciado como forma de reflexão do som que todos nós possuímos e queremos aprender a usar.Mais uma vez quero ressaltar a importância da elevação do diafragma.

Para isso, você pode, contrair a barriga, descontraindo-a gradativamente a medida que o exercício é realizado e o ar inspirado no início é solto.Quando falo das bochechas com caixa de ressonância, é para concientizá-lo que, trazer a vibração do som exclusivamente para a garganta é um "suicídio vocal" ou seja, um convite a rouquidão ou a aquisição de nódulos vocais, entre outros danos.Por fim, quero colocar que estes exercícios servem como um aquecimento para as cordas vocais, como um início de utilização do diafragma e devem ser feitos descontraidamente, pois desta forma serão incorporados a natural ginga de um bom sambista.É importante alertar que todo estudo vocal deve ser acompanhado de um orientador: o professor de técnica vocal. Principalmente no início, pois é difícil num instrumento tão peculiar e interno, distinguirmos o certo do errado.
Quando se trata de voz, todo cuidado é pouco. É muito fácil adquirirmos maus hábitos vocais e para "consertá-los" muitas vezes se "paga" muito caro. O abuso vocal constante, seja pelo excesso ou mal uso pode acarretar em problemas como: rouquidão, edema, nódulo, ou até mesmo calo nas cordas vocais. Portanto, todo cuidado é pouco!

Como sequência para um estudo diário a sugestão é que se faça na seguinte ordem:
1) Relaxamento e Postura
2) Respiração
3) Vocalises
4) RepertórioPreparar o corpo para o canto é muito importante.

Seja para o estudo vocal, ou antes de uma apresentação. É preciso observar e diferenciar o aquecimento vocal do estudo diário. No aquecimento vocal, que se faz por exemplo nos corais antes de uma apresentação, a preocupação maior é de preparar o aparelho, aquecendo sua musculatura para realização do trabalho vocal. Já o estudo de canto é uma pesquisa. Um aprendizado que se faz através do conhecimento do funcionamento correto de seu aparelho fonador, aliado à uma técnica vocal.

Portanto deve ser feito com consciência, muito critério e cuidado. O tempo de estudo não deve se exceder ao cansaço. É muito mais produtivo, principalmente no início, fazermos poucos minutos de exercícios, algumas vezes por dia, ao invés de estudarmos horas seguidas. A resistência da musculatura vocal vem com o tempo e à medida em que exercitarmos corretamente nosso aparelho vocal. Alguns cantores têm a tendência a forçar a voz por exemplo, em exercícios no agudo, para "acostumar" seu aparelho a emitir esses sons. Isso muitas vezes é feito pela força, causando danos graves futuros.

No canto nada deve ser feito através da força e se isso acontece é porque estamos fazendo algo errado, por falta de uma respiração correta, etc. A técnica é exatamente para não forçarmos nossa voz.Os exercícios de respiração devem ser feitos todos os dias. Assim como um atleta treina seus músculos, o cantor precisa fazê-lo de forma a manter sua musculatura abdominal e intercostal sempre preparada para o apoio vocal, deixando assim de sobregarregar os músculos da laringe.

Só então deve partir para os exercícios vocais propriamente ditos. Os chamados vocalises. Se você fizer uma boa base de relaxamento e respiração antes de cantar, vai perceber o quanto isso já é um grande auxiliar na boa emissão da voz.

Texto técnicas básicas da produção do som e aquecimento. Prof. Ronaldo Viana há mais de 10 anos lecionando Técnica Vocal para Igrejas e Pastores. No texto acima não foi incluído exercícios especificos para a dicção. Estarei falando sobre este tema da próxima vez.